SABE MONTAR TREINO FERREIRO?

18-04-2011 11:54

 METODOLOGIA PARA MONTAGEM DOS

PROGRAMAS DE MUSCULAÇÃO

(METODOLOGIA PARA MUSCULAÇÃO E NÃO PARA FISICULTURISMO)
 

  

Este capítulo trata da montagem dos programas de musculação, ou mais especificamente da metodologia utilizada para essa montagem. Muitos autores abordam essas montagens em seus trabalhos, porém poucos tratam com profundidade o assunto.

Badillo e Ayestarám (2001) sugerem que uma seqüência adequada de exercícios permite um efeito maior do que se esses exercícios fossem realizados separadamente, e o tempo de aplicação de um método de trabalho é limitado pela permanência de seu efeito positivo dentro de um ciclo de treinamento.

Promover adaptações estruturais e fisiológicas no organismo dos executantes é um dos principais objetivos do treinamento de musculação, e a magnitude dessas adaptações é proporcional à demanda imposta pela carga de treinamento, em que todas as formas de progressão devem ser levadas em consideração para aprimorar, de forma racional, a carga de treinamento.

A carga de treinamento deve ser no mínimo suficiente para aprimorar o rendimento, e nesse sentido podemos encontrar grandes diferenças entre um iniciante no treinamento de musculação, um intermediário e um avançado, principalmente em relação a sua treinabilidade, ou seja, quanto mais alto for o seu nível de condicionamento físico, menor será a amplitude de sua resposta adaptativa ao estímulo. Dessa forma, deve existir uma preocupação grande em relação à estruturação de um programa de musculação, no qual a sobrecarga progressiva é um dos fatores decisivos para que o aluno tenha um bom desempenho, ou, em caso negativo, haja o aparecimento de muitas lesões.

 

1. Sugestões Básicas para Iniciar o Treinamento de Força Muscular

Bompa (2000) sugere que:

  • Antes de desenvolver a força muscular, se desenvolva a flexibilidade - a maioria dos exercícios de força, especialmente os que utilizam pesos livres, emprega larga amplitude de movimento ao redor das grandes articulações.

  • Antes de desenvolver a força muscular, se fortaleça os tendões e os ligamentos - o aumento da força muscular normalmente excede a capacidade de adaptação dos tendões e dos ligamentos; dessa forma, trabalhos com intensidades elevadas, de maneira prematura, ou em um curto período de tempo para adaptação, podem oferecer riscos aos sistemas de suporte.

  • Antes de desenvolver os membros, desenvolva o tronco - os músculos do tronco funcionam como uma unidade que proporciona estabilização e, mantêm o tronco fixo durante os movimentos de braços e de pernas.

 

2. Cuidados para a Montagem dos Programas

Para montar programas adequadamente, devemos primeiro realizar algumas relações que poderão interferir diretamente no sucesso do programa.
Dentre elas destacamos:

Aparelhos (máquinas) x Pesos livres

A utilização de aparelhos nos traz algumas vantagens em relação ao peso livre, assim como traz desvantagens. Temos como principais vantagens na utilização de aparelhos, a forma guiada e as trajetórias definidas que se tornam muito interessantes para praticantes iniciantes que apresentam dificuldade na coordenação do movimento, ou para praticantes mais experientes que treinam sozinhos (sem parceiro de treino), diminuindo o risco de lesão por não conseguirem realizar a repetição. Outro uso interessante está associado ao treinamento de potência, em que a velocidade de execução deve ser a mais rápida possível, sem a perda da eficiência.

 

 

Os pesos livres não apresentam essas vantagens, porém, devido à liberdade de movimento, oferecem uma enorme versatilidade, em que suas opções de exercícios são praticamente ilimitadas. Assim, podemos dar ênfase em porções musculares distintas e melhorar os níveis de coordenação motora específica, e por isso os pesos livres têm a preferência dos praticantes mais experientes.

 

Exercícios multiarticulares x Exercícios monoarticulares

Quando realizamos a montagem, devemos sempre ter em mente tanto os nossos objetivos como os do aluno (praticante), de modo que possamos utilizar os exercícios mais adequados para o programa.

Na execução de exercícios multiarticulares ocorre uma divisão do trabalho entre as articulações, o que promove uma tolerância a cargas mais elevadas e com uma intensidade de trabalho maior. Dessa forma, para treinar grandes grupos musculares em praticantes iniciantes, esta parece uma maneira interessante de escolher os exercícios, pois oferece menor risco de lesão e maior facilidade de execução.

A execução de exercícios monoarticulares - a não-divisão do trabalho com outras articulações - diminui a intensidade total, mas aumenta o estímulo na musculatura em questão, o que pode ser interessante para objetivos específicos, como veremos em um exemplo de montagem de programa associada à articulação adjacente.

Variabilidade

O treinamento de musculação tem uma natureza repetitiva, o que o torna muito monótono, dificultando o seu sucesso, mesmo porque após um determinado período de treinamento sem variações dentro de um ciclo, há uma estagnação dos resultados. A variação na escolha e na utilização dos exercícios é muito importante; portanto deve-se mudar os exercícios para os grupos musculares bem como a sua seqüência. Contudo, uma mudança muito rápida dos meios não permite obter rendimento; dessa forma, sugere-se mudanças mais rápidas quando os objetivos são gerais (praticantes iniciantes) e mudanças um pouco mais demoradas quando os objetivos são específicos (praticantes avançados ou em preparação para uma competição).

Grandes grupos musculares x Pequenos grupos musculares

De maneira geral, devemos realizar os exercícios primeiramente para os grupos grandes grupos musculares, seguidos por grupos médios, e somente ao final da montagem é que devemos realizar exercícios para pequenos grupos musculares. Isso se deve ao fato de que os pequenos grupos musculares têm uma tendência a atingir a fadiga mais rapidamente que os grandes, e, muitas vezes, os pequenos grupos musculares auxiliam os médios e os grandes na realização de seus trabalhos, o que nos leva a sugerir que em programas para praticantes iniciantes essa seqüência seria benéfica, assim como para alunos intermediários e avançados.

Número de exercícios por grupo muscular

Dependendo da fase de treinamento em que o praticante se encontra (iniciante/intermediário/avançado), podemos sugerir um número adequado de exercícios por grupo muscular. Em programas para iniciantes, não temos a necessidade de mais de um exercício por grupo muscular; já para intermediários, podemos trabalhar com dois exercícios; e para avançados, sugere-se realizar três exercícios para grandes grupos musculares e dois para pequenos ou quatro para grandes e três para pequenos, dependendo do intervalo entre os treinos para esse grupo muscular e da conseqüente intensidade de estímulo.

Montagem dos programas e Métodos de treinamento

Observamos com freqüência um confusão entre essas duas estratégias, mas elas são significativamente diferentes: montagem dos programas são as opções que temos para estabelecer a ordem seqüencial dos exercícios na ficha de treinamento, ou seja, a seqüência em que estão elencados para sua realização (por exemplo: alternada por segmente ou direcionada por grupo muscular, entre outros); métodos de treinamento são as opções que podemos ter para a realização do treino em função da montagem estabelecida, através da relação entre as variáveis do programa que são; números de grupos (séries), números de repetições, peso estabelecido, amplitude de movimento, velocidade de execução, intervalo entre os grupos e intervalo entre os exercícios (por exemplo: na montagem alternada por segmente, podemos aplicar os sistemas seriado, circuitado, agrupado, entre outros, e na montagem direcionada por grupo muscular, podemos aplicar os sistemas seriado, pirâmide, drop set, entre outros).

Divisão de programas

A divisão de programas acontecerá sempre que a sessão de treinamento for muito longa para ser realizada em um único dia. Podemos então dividir em dois, três ou mais programas distintos, mas sempre respeitando o intervalo adequado entre os estímulos para o mesmo grupo muscular. A determinação dos músculos que deverão fazer parte de cada programa depende da montagem deste, por exemplo: em uma montagem agonista/antagonista, os músculos peitoral maior e latíssimo do dorso precisam estar no mesmo programa; já na montagem direcionada por grupo muscular, normalmente eles estão em programas distintos. Vamos observar a seguir alguns exemplos de divisões. Tratam-se de divisões comuns, mas não necessariamente as mais interessantes.

48 a 72 horas de intervalo entre os estímulos

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo
Programa 
A
Programa 
B
Programa 
A
Programa 
B
Programa 
A
Programa 
B
---

Onde:
         Programa A: membros superiores;
         Programa B: membros inferiores e coluna.

72 a 96 horas de intervalo entre os estímulos

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo
Programa 
A
Programa 
B
--- Programa 
A
Programa 
B
--- ---

Onde:
         Programa A: membros superiores;
         Programa B: membros inferiores e coluna.

ou

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo
Programa 
A
Programa 
B
Programa 
C
Programa 
A
Programa 
B
Programa 
C
---

Onde:
         Programa A: peito e tríceps;
         Programa B: costas e bíceps;
         Programa C: ombro e membros inferiores.

168 horas de intervalo entre os estímulos

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo
Programa 
A
Programa 
B
Programa 
C
Programa 
D
Programa 
E
Programa 
F
---

Onde:
         Programa A: peitoral e adutores do quadril;
         Programa B: 
anteriores do braço e quadríceps;
         Programa C: 
deltóides (parte clavicular e parte acromial) e tríceps sural;
         Programa D: 
dorsais, trapézio, deltóide (parte espinal) e glúteo médio;
         Programa E: 
tríceps braquial e posteriores da coxa;
         Programa F: 
antebraço, anteriores da perna e abdome.

 

3. Cuidados Básicos de Montagem do Programa de Treino

Após as relações feitas, estamos prontos para sugerir algumas montagens do programa, que não são as únicas opções, porém as que nos parecem mais adequadas para um treinamento completo e progressivo. Seguindo essa linha, iremos propor as formas de montagem: alternada por segmento; localizada por articulação (agonista/antagonista e completa); associada à articulação adjacente; direcionada por grupo muscular; e mista.

Essas sugestões de montagem não irão respeitar a divisão de programas, e todos os grupos musculares poderão ser trabalhados, já que não levaremos em consideração o nível de aptidão física do praticante e o número específico de exercícios por grupo muscular.

Nessas propostas de montagem, não serão feitos exercícios para todos os grupos musculares, nem todos os programas que devem fazer parte do treinamento do praticante em cada fase, já que esses exercícios e programas devem ser individualizados. Estamos indicando as formas de estruturação, porém, o treinamento deve ser prescrito pelo profissional responsável pela sua preparação, sempre seguindo seus objetivos.

Alternada por segmento

Esta montagem é a mais utilizada em trabalhos circuitados e em programas para iniciantes. Isso se dá pelo fato da seqüência de exercícios ser realizada utilizando grupos musculares corporais diferentes.

No trabalho circuitado, essa montagem é interessante quando realizamos através do sistema de passagens e não do sistema seriado, por permitir um menor intervalo entre os exercícios, deixando, dessa forma, o treino mais dinâmico.

No programa para iniciantes, este tipo de montagem leva vantagem em relação aos demais por ser a forma de execução de menor dificuldade e por permitir um maior intervalo entre os estímulos nas articulações e nos músculos que assessoram o trabalho, não havendo, portanto, a necessidade de um grande lastro fisiológico.

Para a montagem, devemos seguir como regra básica a alternância entre as articulações trabalhadas: articulações que envolvam os movimentos dos membros superiores (escápulo-torácica/cintura escapular, ombros, cotovelo e punho); articulações que envolvam os movimentos dos membros inferiores (quadril, joelho e tornozelo); e articulações que envolvam os movimentos da coluna (intervertebrais), não necessariamente nessa ordem.

A seguir, apresentamos um exemplo de montagem:

Músculos Priorizados Movimento Articular Material Utilizado Nome Popular
Peitoral maior Flexão horizontal de ombro Aparelho supino Supino reto
Quadríceps femoral Extensão de joelho Leg Press Leg Press
Reto do abdome Flexão de coluna à 45° Colchonete Abdominal
Latíssimo do dorso Extensão de ombro Polia baixa Remada baixa
Posteriores da coxa Flexão de joelho Mesa flexora Mesa romana
Oblíquos Interno/
Externo (lado oposto)
Flexão de coluna
com rotação
Colchonete Abdominal
com rotação
Deltóide (partes
clavicular e acrominal)
Abdução de ombro Aparelho
de desenvolvimento
Desenvolvimento
Adutores do quadril Adução de quadril Cadeira adutora Cadeira adutora
Oblíquos/Quadrado
lombar
Flexão lateral
de coluna
Polia baixa Flexão lateral
Tríceps braquial Extensão de cotovelo Polia alta Tríceps pulley
Glúteo médio Abdução de quadril Cadeira abdutora Cadeira abdutora
Grupo eretor
da coluna
Extensão de coluna Cadeira inversora Hiperextensor
Bíceps braquial Flexão de cotovelo Halter peso fixo Rosca simultânea
Tríceps sural Flexão plantar Pressão de sóleo Panturrilheira

Localizada por articulação

Neste programa, as montagens podem seguir duas estruturas, chamadas agonista/antagonista e completa.

Na montagem agonista/antagonista, Field e Roberts (1999) sugerem que sempre que um exercício trabalhar determinado grupo muscular, o exercício seguinte deverá ser para o seu antagonista (ambos utilizando as mesmas articulações). Depois de trabalho o agonista e o antagonista, deve-se alternar o segmento corporal, e os próximos dois exercícios deverão trabalhar o agonista e o antagonista utilizando novas articulações. Na montagem completa, dado um exercício, todos os movimentos da articulação deverão ser explorados.

Bittencourt (1984) faz algumas considerações sobre este tipo de montagem de programas: o trabalho muscular fica concentrado em uma região, promovendo assim um maior fluxo sangüíneo para aquele local; a fadiga muscular localizada ocorrerá mais rápido em relação à montagem alternada por segmento; e ocorre uma dificuldade maior de realização das repetições iniciais devido ao fato de o grupo muscular trabalhado no exercício anterior promover uma frenagem involuntária do antagonista.

A seguir, apresentamos dois exemplos de montagem: um para agonista/antagonista e outro para completa.

Agonista/Antagonista

Músculos Priorizados Movimento Articular Material Utilizado Nome Popular
Peitoral maior Flexão horizontal
de ombro
Aparelho supino Supino reto
Latíssimo do dorso Extensão de ombro Polia baixa Remada baixa
Quadríceps femoral Extensão de joelho Leg Press Leg Press
Posteriores da coxa Flexão de Joelho Mesa flexora Mesa romana
Latíssimo do dorso
Redondo maior
Adução de ombro Polia alta Pulley frente
Deltóide (partes
clavicular e acrominal)
Abdução de ombro Aparelho
de desenvolvimento
Desenvolvimento
Adutores do quadril Adução de quadril Cadeira adutora Cadeira adutora
Glúteo médio Abdução de quadril Cadeira abdutora Cadeira abdutora
Tríceps braquial Extensão de cotovelo Polia alta Tríceps pulley
Bíceps braquial Flexão de cotovelo Halter com
peso fixo
Rosca simultânea
Tríceps sural Flexão plantar Pressão de sóleo Panturrilheira
Tibial anterior/
Fibular terceiro
Dorsiflexão Polia baixa Dorsiflexão
Reto do abdome Flexão de coluna à 45° Colchonete Abdominal
Grupo eretor
da coluna
Extensão de coluna Cadeira inversora Hiperextensor
Oblíquos/Quadrado
lombar
Flexão lateral
de coluna à direita
Polia baixa Flexão lateral à direita
Oblíquo/Quadrado
lombar
Flexão lateral
de coluna à esquerda
Polia baixa Flexão lateral
à esquerda

Completa
Montagem para três articulações: ombro, quadril e coluna.

Músculos Priorizados Movimento Articular Material Utilizado Nome Popular
Peitoral maior Flexão horizontal
de ombros
Aparelho supino Supino reto
Latíssimo do dorso/
redondo maior
Adução de ombro Polia alta Pulley frente
Latíssimo do dorso Extensão de ombro Polia baixa Remada baixa
Deltóide (partes
clavicular e acromial)
Abdução de ombro Aparelho
de desenvolvimento
Desenvolvimento
Íliopsoas/
Reto femoral
Flexão de quadril Polia baixa Flexão de quadril
Adutores do quadril Adução de quadril Cadeira adutora Cadeira adutora
Glúteo máximo/
Posteriores da coxa
Extensão de quadril Aparelho glúteo Aparelho glúteo
Glúteo médio Abdução de quadril Cadeira abdutora Cadeira abdutora
Reto do abdome Flexão de coluna à 45° Colchonete Abdominal
Oblíquos/Quadrado
lombar
Flexão lateral
de coluna
Polia baixa Flexão lateral
direita/esquerda
Grupo eretor
de coluna
Extensão de coluna Cadeira inversora Hiperextensor
Oblíquo interno/
externo - lado oposto
Flexão de coluna
com rotação
Colchonete Abdominal oblíquo

Associada à articulação adjacente

Esta é uma forma de promover a pré-exaustão na musculatura trabalhada em um primeiro exercício. Isso se dá por ser um estímulo específico para a musculatura em questão, e no exercício seguinte, com o auxílio de outra(s) articulação(ões) e outros músculos, pode-se chegar a exaustão.

Exemplo de montagem para cinco grupos musculares:

Músculos Priorizados Movimento Articular Material Utilizado Nome Popular
Peitoral maior Flexão horizontal
de ombro
Halter com peso
fixo/Banco
Crucifixo
Peitoral maior/
Tríceps braquial
Flexão horizontal de
ombros/Extensão
de cotovelo
Aparelho supino Supino reto
Quadríceps femoral Extensão de joelho Cadeira extensora Cadeira extensora
Quadríceps/Glúteo
máximo
Extensão de joelho
e quadril
Leg Press Leg Press
Deltóide (partes
clavicular e acrominal)

  SUPLEMENTOS ALIMENTARES NACIONAIS E IMPORTADOS...zeu_no3@hotmail.com  cel:992705112

 

 

 


NÃO BASTA TER FORÇA,TEM QUE TER DETERMINAÇÃO

 

 

 

Notícias

ERUPÇÃO DO VULCÃO JAPONES

02-02-2011 10:07

Erupção de vulcão japonês quebra janelas a 8 km de distância; veja

DA BBC BRASIL

O vulcão Shinmoedake, no sul do Japão, voltou a entrar em erupção nesta terça-feira, com a maior explosão registrada desde que ele voltou à atividade, na semana passada.

A erupção lançou rochas a quilômetros de distância, derrubou árvores e quebrou centenas de vidraças.

O deslocamento de ar quebrou janelas a 8 km de distância.

A violência da explosão levou autoridades a ampliarem a zona de segurança para um raio de 4 km ao redor do Shinmoedake.

Os mais de mil moradores da cidade de Takaharu foram orientados a deixar suas casas e procurar abrigo em centros públicos.

Cientistas afirmam que o nível da lava no interior da montanha de 1.421 metros está subindo, mas ainda não se sabe se será suficiente para transbordar e escorrer cratera abaixo.

As ilhas do Japão ficam dentro do chamado Anel de Fogo do Pacífico, onde dezenas de vulcões estão em atividade. 

Egito,ate quanto não respeitam a liberdade de expressão

02-02-2011 09:35

 

 

Egito e a força do povo

02-02-2011 09:34

 MUBARAK DESISTE DE REELEIÇÃO

Internet voltou a funcionar em cidades.

Exército do Egito pede 'volta à vida normal'; oposição convoca atos (AP)

musculação

31-01-2011 14:05

musculação1.0

A musculação é um tipo de exercício resistido, com variáveis de carga, amplitude, tempo de contração e velocidade controláveis. Desse modo pode ser aplicada da forma isométrica (contração mantida), isocinética (com velocidade angular constante) ou isotônica (alternância de contrações concêntricas e excêntricas), contínua ou intervalada, suave ou intensa, com recursos aeróbios ou anaeróbios. Esta possibilidade de controle de tantas variáveis torna a musculação uma atividade física altamente versátil que pode ser usada para diferentes objetivos.

 
 

tabela com alguns tipos de treino

data colocação objetivo de treino
01/2011 Hipertrofia muscular
04.03.2007 Força muscular
01/2011 Potência muscular
04.03.2007 Resistência muscular
 

o feijão ajuda a recuperação muscular

O Feijão Ajuda a Recuperação MuscularFique com os músculos em forma para o seu próximo treino, comendo feijão depois de treinar. Segundo David Brennan, um fisiólogo do exercício, do Baylor College of Medicine, de Houston, os alimentos ricos em hidratos de carbono ajudam a acelerar a recuperação muscular quando são consumidos durante os 30 minutos depois do exercício. Esse é o momento em que os músculos absorvem perfeitamente os hidratos de carbono, e o feijão, macarrão ou cereais são perfeitos para realimentar-nos depois de treinar. Ao mesmo tempo que comemos excelentes fontes de hidratos de carbono complexos, é importante começar a beber líquidos, incluindo refrescos desportivos que contenham muitos hidratos de carbono, quase imediatamente depois de treinar.

a fama dos flavonóides

A Fama dos FlavonóidesAs pessoas que consomem frutas e vegetais com alto teor de antioxidantes chamados flavonóides, têm menos riscos de vir a morrer com problemas cardíacos. Um estudo com a duração de vinte e cinco anos, efectuado com 5133 pessoas, demonstrou que as mulheres que mais consumiam flavonóides teriam a metade das probabilidades de morte que as que consumiam menos, diz um artigo no British Medical Journal. Os homens que consumiam mais flavonóides teriam menos um quarto de probabilidades de virem a morrer de problemas cardíacos que aqueles que consumiam menos. As maçãs, os morangos, as cenouras, as cebolas, o tomate, a abóbora, o chá e o vinho tinto têm flavonóides.

 

 

MINISTROS EGÍPCIOS APRESENTAM RENUNCIA

29-01-2011 09:57

Ministros egípcios apresentam renúncia

Anúncio foi feito em meio a manifestações pela saída do presidente Hosni Mubarak.

Ministros egípcios apresentam renúncia (Marco Longari/AFP)
Preso mais um suspeito de matar prefeito (Reprodução/TV Globo)

JANDIRA, SP

Preso mais um suspeito de matar prefeito

Ex-secretários tramaram crime, diz polícia.

Ela respondeu à carta do presidente da Itália. 

VIDEOS 29/01/11

29-01-2011 09:54

 

Miniatura6:39

Notícias 28-11-2010

Notícias sobre Ciência e Tecnologia mais relevantes desta semana.

  2 meses atrás  11 exibições

Miniatura1:36

Tokio Hotel en Chilevisión Noticias28/11/2010

 

  2 meses atrás  7650 exibições

Miniatura5:55

TVBQ Notícias - 28/11/2008

TVBQ Notícias do dia 28/11/2008

PREVENÇÃO CARDIO VASCULAR

29-01-2011 09:42

Prof. Ms. Fabiano Peres 
 
 
ImageMuito se fala sobre os benefícios da musculação sobre o sistema cardiovascular. Trabalhos realizados por laboratórios de fisiologia do exercício, de reabilitação cardíaca, clínicas específicas, hospitais do mundo inteiro e revistas científicas internacionais continuam mostrando os reais benefícios deste tipo de atividade física principalmente para o sistema cardiovascular.
 
Mesmo sabendo de tudo isto, muitos médicos, professores em Educação Física, fisioterapeutas e outros profissionais da área da saúde acabam “desacreditando” desses reais benefícios. Mas por que????

A musculação sempre foi alvo de muitas críticas do tipo: não serve para nada, interrompe o processo de crescimento, deixa a mulher masculinizada, todo  praticante usa hormônios para aumentar a massa muscular, etc.... Enfim, tudo que ainda é falado por aí não passa de folclore, e sem nenhum embasamento científico.
 
Aliás, é essa falta de embasamento científico que leva a essas falsas afirmações, além de que, os exercícios aeróbios desde há muito tempo é cultuado como a melhor atividade física para a promoção da saúde e principalmente da saúde cardiovascular mas, como nós sabemos não existe o melhor ou o pior tipo de atividade física e sim, cada tipo de atividade física melhora alguma capacidade física, ou seja, exercícios de alongamento melhora a flexibilidade do indivíduo; o treinamento aeróbio melhora a capacidade aeróbia específica, se você nada, você irá melhorar a sua capacidade aeróbia na natação, se você corre você irá melhorar a capacidade aeróbica da corrida e se você treina musculação, você irá melhorar a sua força muscular, resistência muscular aumento de massa óssea......só que a musculação melhora muito pouco a capacidade aeróbia, assim como  os exercícios aeróbios praticamente não influenciam o aumento de massa magra e a manutenção de massa óssea.
 
Então, aqueles “profissionais” que dizem que exercícios aeróbios são os mais aconselháveis para a reabilitação cardíaca e / ou aumento da qualidade de vida, estão REDONDAMENTE enganados.
 
Como já dissemos, atividades aeróbias melhora a capacidade aeróbia, e o resto?? FORÇA, para levantar pesos dentro de casa, nas atividades rotineiras, passear com os netos, se virar sozinho quando da ausência de parentes para ajuda-los em alguma coisa......

Enfim, se formos dizer o que um idoso precisa fazer para manter suas funções vitais adequadas para uma vida com qualidade, podemos facilmente escrever vários livros.

O intuito deste artigo é simplesmente mostrar os benefícios que o trabalho com pesos fazem em benefício para a saúde cardiovascular. Abaixo iremos exemplificar alguns itens:

O CORAÇÃO COMO UMA BOMBA MUSCULAR: durante uma atividade com pesos, os batimentos por minuto são bem menores do que em uma atividade aeróbia (não estamos falando de treinamento intenso e sim, o uso da musculação para a reabilitação cardiovascular!!), ou seja o DP (duplo produto) durante uma atividade com pesos é menor, sobrecarregando menos o coração. Sobrecarregar menos o coração significa poupar trabalho mecânico para executar uma determinada função, no caso, menos batimentos cardíacos.

RETORNO VENOSO FACILITADO:  a baixa pressão do sistema venoso cria um problema especial que é solucionado em parte por uma característica ímpar das veias. Dentro das veias existem várias válvulas finas, membranosas em forma de asas, distribuídas a pequenos intervalos dentro delas, permitindo apenas o fluxo unidirecional do sangue na direção do coração.
 
Em virtude da baixa pressão do circuito venoso, as minúsculas contrações musculares, comprimem prontamente as veias. A compressão dos músculos sobre as veias, o relaxamento alternativos das mesmas e a ação unidirecional de suas válvulas proporcionam uma ação de “ordenha” semelhante à ação do coração (MCARDLE et al, 2003).
 
Então, se a massa muscular torna-se mais forte mediante a realização de exercícios com pesos (musculação), isso irá facilitar e muito o retorno venoso, aumento o enchimento das cavidades cardíacas, fazendo com que em uma mesma quantidade de batimentos cardíacos, o coração irá conseguir ejetar uma quantidade maior de sangue, sobrecarregando menos o miocárdio.
 
Teoria esta explicada por Frank e Starling dois grande fisiologistas que descreveram o mecanismo facilitação do retorno venoso pela bomba muscular onde, quanto maior a força de uma determinado grupo muscular, maior a capacidade de “ordenha” para o retorno do sangue para o coração (denominada teoria de Frank-Starling).
 
Isso significa que, se o treinamento com pesos favorece o aumento da massa muscular e conseqüentemente o aumento de força, isto é mais um fator que comprova a eficácia deste tipo de atividade para a reabilitação cardiovascular.

Concluindo, os exercícios com pesos, podem e devem ser aplicados para este fim específico, promovendo um aumento da qualidade de vida, pois é uma ferramenta segura provada cientificamente.

BONS TREINOS!!!
 

Bibliografia (entrar em contato com o autor).
 
 
Prof. Ms. Fabiano Peres
profabiano@hotmail.com
Mestre em Educação Física pela UNIMEP
Especialista em Fisiologia do Exercício pela UNIFESP
Graduado em Educação Física pela UNESP
Membro da Sociedade Brasileira de Fisiologia do Exercício
Professor e coordenador do curso de Educação Física da Universidade São Francisco (USF) - Bragança Paulista
Professor do curso de Especialização em Medicina Esportiva da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP/ IOT)
Professor do curso de Educação Física do UNIFAE – São João da Boa Vista 
 

PAGINAS MAIS VISITADAS

29-01-2011 09:14

NOTICIAS FITNESS 29/01/2011

29-01-2011 09:11

Cientista cria vitamina e 

noticias

28-01-2011 14:40

 

Últimas Notícias

noticias de hoje

27-01-2011 18:52

Política de Privacidade | Termos de Uso | Fale Conosco | Comercial

Vladimir Nabokov com a sua rede de caçar borboletas, nos EUA (Fonte: Life)

 

Teoria da borboleta de Nabokov é comprovada cientificamente

Romancista (e especialista em borboletas nas horas vagas) foi o primeiro a entender a evolução da borboleta azul

Carnaval

A Igreja pode vistoriar o barracão?

Não são de hoje os esforços de "depuração" do Carnaval

Especial

O legado de Juscelino Kubitschek

Construção de Brasília foi um dos grandes legados de JK

Expectativa de vida

Os velhos são os outros

Os prós e contras do aumento da expectativa de vida no Brasil

Cultura

A primeira biografia de Rubens Corrêa

Conheça um dos monstros sagrados do nosso teatro

Saúde e bem-estar

Controle a doença de movimento

Doença é mais frequente em crianças e mulheres

Crítica de cinema

'O Turista', um James Bond moderno

Confira a crítica de cinema de Francisco Taunay

Grandes Brasileiros

Tom Jobim

Ele transformou Ipanema no bairro da Garota mais famosa do mundo

Opinião Pública

Leitor fala sobre ser brasileiro

O leitor John Webster foi escolhido como Opinião Pública da semana

Diplomas médicos

Revalidação: saúde ou ideologia?

Debate sobre o processo está longe de ser simples

Carnaval 2011

Diamantina - um museu a céu aberto

A cidade é uma das mais belas cidades históricas do país

Charge da semana

'Lula - O Filho do Brasil' e o Oscar

Saiba o que a Academia achou do filme brasileiro

Cultura

Besteirol vs. politicamente correto

Comédia escrachada invadiu a TV e até a Academia

Grita Brasil

Dessa vez aprendemos a lição?

Ledo engano achar que se aprendeu a lição

Cultura

Lições com o mestre Chico Anysio

Torcemos para que o eterno Professor Raimundo se recupere

Opinião

Ibovespa or not Ibovespa?

Índice Bovespa tem suas projeções muitas vezes erradas

Região Serrana

Saiba como ajudar as vítimas das tragédias

Veja lista de postos de coleta de alimentos e contas para doações

Cultura

Veja a programação da Casa do Saber

Confira os cursos oferecidos em janeiro e fevereiro

ÁFRICA

O poder da Igreja no Sul do Sudão

Enquanto região caminha para a independência, líderes religiosos têm obtido mais sucesso que políticos na convocação das massas

Petróleo

BP e governo russo fecham acordo

Petrolífera britânica explorará campos de petróleo no Ártico

Ataque a bomba

Putin promete vingança após atentado

Explosão no aeroporto russo Domodedovo deixou 35 mortos e 180 feridos

Mundo árabe

Egito bloqueia Twitter para conter ‘efeito dominó’

Povo pede a saída do presidente Hosni Mubarak, que está há 30 anos no poder

TEM MEDO DE RAIOS ENTÃO VEJA

27-01-2011 17:25

 

 
233092 
    
 
BADUIMOVEIS | 6 de fevereiro de 2009

Assista mais: http://choqueeletricobadu.b... Mais que um espetáculo para os ...

SONS SOBRENATURAIS?

27-01-2011 13:24

 

 
354554 
    
 
atormentador0com0br | 29 de novembro de 2007 |  pessoa(s) gosta(m), 77 pessoa(s) não gosta(m)

Em meados de dezembro de 1989, um grupo de geólogos russos fizeram um poço de...